Unimed Set Maxiboard interno

Notícias

Justiça nega pedido de alteração de medida de segurança de acusado de matar estudante

Por Com informações do TJMG, 11/06/2019 às 16:38
atualizado em: 11/06/2019 às 16:43

Texto:

Foto: Itatiaia e Reprodução/Facebook
Itatiaia e Reprodução/Facebook

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) decidiu nesta terça-feira que o acusado pela morte da estudante Isabella Perdigão, Ezequiel Miranda Silva, deve permanecer internado em hospital de custódia e sob tratamento psiquiátrico pelo prazo mínimo de três anos. 

A decisão é dos desembargadores da 6ª Câmara Criminal do TJMG que mantiveram a aplicação de medida de segurança determinada pela Justiça de Primeira Instância. 

O réu recorreu contra a decisão da juíza Âmalim Aziz Sant’ana, requerendo a alteração da medida de segurança de internação para tratamento ambulatorial.

De acordo com a relatora do processo, desembargadora Denise Pinho da Costa Val, apesar de ter apresentado um laudo que o associa a uma perturbação de saúde mental e, portanto, incapaz de entender o ato ilícito do fato, Ezequiel responde pela prática de homicídio qualificado consumado, tentativa de homicídio qualificado, por duas vezes, e lesão corporal.

Segundo a magistrada, ainda que se venha admitindo na doutrina e jurisprudência a possibilidade do tratamento ambulatorial, no presente caso, “a periculosidade do acusado pode ser constatada pela própria gravidade dos delitos praticados, sendo certo (...) que Ezequiel estava interessado nas vítimas Isabella e Christiana e, no dia dos fatos, matou a primeira e tentou matar a segunda, porque não se sentiu correspondido”.

A desembargadora, entre outras considerações, relatou que “na fase policial, a vítima Paulo César narrou que ficou sabendo que o acusado disse que ‘vai voltar para terminar o serviço’. Outro fato lembrado por Denise Pinho da Costa Val é a pouca adesão de Ezequiel à medicação. “O próprio apelante informou que já esteve em hospital psiquiátrico, recebeu alta médica com indicação de uso de alguns medicamentos, contudo não os usou”.

Denise Pinho da Costa Val acatou a observação do Ministério Público de que “o tratamento ambulatorial coloca em risco a integridade física, mental e emocional tanto do próprio réu, seus familiares e, principalmente, das vítimas. Ademais, em liberdade, o réu tende a não aderir ao tratamento e fazer uso de bebidas alcóolicas, conforme já apontado nos laudos”.

O caso

Isabella estava dentro do carro, na garagem do prédio em que morava, quando foi surpreendida por Ezequiel com facadas. O pai da vítima entrou em luta corporal com o agressor e foi esfaqueado no abdômen. Ele e a filha foram socorridos por um taxista e levados a uma Unidade de Pronto Atendimento, mas a estudante não resistiu. Logo após cometer o crime, Ezequiel foi à procura dos outros familiares da jovem.

A mãe, a irmã e um irmão de Isabella conseguiram se esconder em um cômodo do apartamento. Insatisfeito, Ezequiel ateou fogo em um sofá, destruindo parte do imóvel. O autor foi preso em flagrante e confessou o crime. Em entrevista à Itatiaia na época, ele afirmou ser apaixonado pela estudante e ter planejado o assassinato por três anos.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Bolsonaro provoca presidente da OAB: 'Posso contar como o pai dele desapareceu' https://t.co/VL1QAuI1sI https://t.co/uO2itrIBJh

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link