Ursula Nogueira

Coluna da Ursula Nogueira

Veja todas as colunas

No feminino, todas foram campeãs

Aos poucos o futebol feminino vai ganhando o seu espaço. Basta que todos os envolvidos – das diretorias aos torcedores – comprem a ideia

26/08/2019 às 06:45
No feminino, todas foram campeãs

São Paulo é o campeão do Campeonato Brasileiro A2 de futebol feminino. Venceu por 4 a 0 o jogo de ida, na capital paulista, empatou com o Cruzeiro, em Belo Horizonte, por 1 a 1 e levou o título.

A conquista é muito importante para o time paulista, que mesmo sem a principal jogadora, Cristiane, fora por lesão, conseguiu levantar o caneco. Este é o primeiro título nacional do São Paulo desde que o clube retomou os trabalhos com o futebol feminino. Foram 13 partidas, dez vitórias, dois empates, uma derrota, 42 gols marcados e somente quatro sofridos. Campanha praticamente igual ao do Cruzeiro, vice-campeão. O time celeste entrou em campo 13 vezes com dez vitórias, um empate e duas derrotas.

É imprescindível destacar a ótima campanha do time celeste. A última equipe a ser montada, tendo em vista que armaram o elenco em fevereiro e estrearam em março, conseguiu o segundo lugar e uma das vagas para a Série A da categoria. Aqui vale destacar o brilhante trabalho desenvolvido pela supervisora Bárbara Fonseca. Buscou peças importantes e trabalhou incansavelmente para que o sucesso fosse alcançado. E foi!

Ser vice não é sinônimo de derrota. Na final do feminino, todos venceram: a luta, a perseverança, a entrega, o trabalho, a raça, os enfrentamentos... Os paradigmas estão sendo quebrados, os torcedores estão apoiando, o futebol está crescendo.

Não é fácil viver na pele as dificuldades que essas meninas enfrentam. O preconceito, a falta de confiança e incentivo. Ainda que seja apenas o começo, deixo aqui o meu abraço e o meu reconhecimento. Aos poucos o futebol feminino vai ganhando o seu espaço. Basta que todos os envolvidos – das diretorias aos torcedores – comprem a ideia. À medida que este “consumo” aumentar, os patrocinadores aparecem e as condições para as atletas melhoram.

O Atlético, que infelizmente foi eliminado na primeira fase, também precisa ser reconhecido. Diante dos olhos da supervisora Nina Abreu, muitas joias serão reveladas e muitos títulos serão conquistados.

Ao América deixo os meus incentivos também. Afinal, as coelhinhas chegaram até às quartas de final. Campanha boa e digna de muito reconhecimento. Siga confiante, Luiza Parreiras. 

Estamos muito longe do ideal, não tenho dúvidas, mas tenho a plena certeza que com mulheres fortes como Bárbaras, Ninas e Luizas, nosso futebol feminino vai se destacar no cenário nacional.

Voem, transformem e brilhem meninas!

Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link