Rômulo Ávila

Coluna do Rômulo Ávila

Veja todas as colunas

Muito além de um álbum de figurinhas 

10/05/2019 às 07:15

Rômulo Ávila/Itatiaia

Meu primeiro álbum de figurinhas foi o da Copa União de 1987. Era uma febre. Lembro-me que eu e meu irmão Rodrigo disputávamos quem completava mais rápido. A busca por figurinhas, especialmente as carimbadas, começava nas bancas, passava por grupinhos de troca e pelo tapão (ou bate figurinhas), que não nada mais é do que a brincadeira de virar as figuras com as mãos. Meu irmão era craque nisso.

Os álbuns de figurinhas têm relação direta na minha vida. E isso não é um exagero. As figurinhas serviram para me deixar ainda mais apaixonado pelo futebol e embalaram o meu sonho de ser um jogador profissional, o que seria realizado anos depois no meu querido Villa Nova.  

O tempo passou, a carreira foi encerrada aos 23 anos em razão de um problema na coluna, tomei outro rumo profissional e agora, 32 anos após meu primeiro álbum, um projeto espetacular do ex-jogador do Leão do Bonfim, Marcelo Ferreira, resgata parte da minha história e de dezenas de atletas que tiveram a honra de vestir a camisa do Villa Nova. O primeiro álbum de figurinhas do Leão foi lançado no último sábado, no Alçapão do Bonfim, em encontro que reuniu diferentes gerações do Villa.

São 32 páginas e 218 figurinhas com imagens antigas e atuais de ex-jogadores e funcionários de diferentes épocas que ajudaram (e ajudam) a escrever a história do querido Villa Nova. No álbum, o torcedor encontra jogadores como Piorra, Zé Borges e Búfalo Gil, Luizinho, Milton Tank e muitos outros. Há também funcionários lendários do Leão, como o massagista Zé da Pompa, o roupeiro João Pio, duas figuras com quem tive o privilégio de trabalhar. Lá estão alguns colegas do bicampeonato mineiro de Júnior (1997/1998):  Léo, Aender, Fabrício Soares, o técnico Flávio Lopes e o supervisor Vaccari ...... O jornalista e pesquisador da gloriosa história do Leão, Wagner Augusto, também virou figurinha. 

Trata-se, sem dúvida, de um trabalho que extrapola o resgate da imagem e da história de jogadores que nunca tiveram a oportunidade de viver o glamour do futebol.

 A realidade da maioria dos profissionais da bola é dura e cruel. Poucos chegam ao estrelato, com salários milionários, viagens em avião de luxo, transmissões em alta definição e fazem parte dos jogos de videogame que têm fãs de todas as idades. Muitos atletas, como eu, passam a carreira no anonimato. E isso não é descrédito. É simplesmente a realidade. É nessa perspectiva que vejo o trabalho feito pelo ex-atacante Marcelo muito além de álbum de figurinhas. É um resgate da autoestima, é reconhecimento e, principalmente, é uma prova que tudo valeu a pena. A história do Villa e todos que fazem parte dela agradecem.

O álbum com as 218 figurinhas pode ser adquirido por R$ 50 na loja do Luís Fotógrafo, na banca de revista Nossa Senhora do Pilar ou na Vila dos Esportes, em Nova Lima.

Rômulo Ávila/Itatiaia

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    ⚽️#Atlético: Goleiro Victor, com dores no joelho, está vetado para o jogo diante do Fortaleza. Espera resultado de… https://t.co/Tm1cJzCIg2

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    ⚽Atlético não perde no Independência há 15 jogos, feito alcançado pelo time de 2013.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    De acordo com informações da PM, militares do batalhão Rotam faziam operação em um ponto de tráfico de drogas na avenida Central e foram recebidos a tiros.

    Acessar Link