Rômulo Ávila

Coluna do Rômulo Ávila

Veja todas as colunas

Os pontas resistem

Everton Cebolinha, destaque da seleção na Copa América, é prova que os pontas resistem. Ainda bem.

19/07/2019 às 06:43

Reprodução

O futebol moderno no Brasil praticamente excluiu a palavra ponta do seu vocabulário. Mas eles estão aí, mesmo que em menor número em relação ao passado (infelizmente). Everton Cebolinha, destaque da seleção brasileira na conquista da Copa América, é prova que os pontas resistem. Ainda bem.

Desde criança sonhava em ser jogador de futebol. E muito desse sonho era alimentado pelo fascínio com os pontas. A velocidade e os dribles me impressionavam. Eles usavam as camisas 7 e 11 e tinham como principal função chegar à linha de fundo e servir o camisa 9. Vira e mexe também sofriam pênaltis.

O tempo passou, acabei levando a sério o sonho e consegui me profissionalizar em 1998, no querido Villa Nova ou simplesmente Leão do Bonfim. Ah, minha posição? Ponta esquerda!!

Mário Tilico, Sérgio Araújo, Éder Aleixo, Edson e Edvaldo são alguns responsáveis pelo meu encantamento. Lembro como se fosse hoje que era impossível não levantar quando a bola chegava até eles: era sinônimo de perigo e, muitas vezes, de gols. Isso sem falar em Garrincha, simplesmente o melhor de todos os tempos.

Dei essa volta toda para fazer um questionamento: onde estão os pontas do futebol brasileiro? Como o país que revelou para o mundo jogadores como Garrincha, Edu, Joãozinho e Éder Aleixo praticamente não consegue revelar mais? Tenho a resposta: é culpa dos treinadores.

No Brasil do futebol moderno se aprende desde cedo: ponta agora é atacante de lado, que ainda tem que voltar para marcar o lateral. Antigamente, ponta tinha tal função, mas só até meio e olhe lá. Era o lateral que preocupava com eles. Não o contrário, como ocorre hoje.

O mais curioso é que o futebol europeu não abre mão dos tais pontas. Sané, Sterling e Mané e o próprio Hazard, infernal pela esquerda, são exemplos. O próprio Neymar rende muito quando atua pelo lado do campo. Enquanto isso o futebol brasileiro ainda insiste em mecanizar seus talentos. Ainda bem que surgem surpresas como Everton Cebolinha. Eles não deixam o ponta morrer. A torcida levanta, vibra e agradece.  

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link